André Cunha

@andrecunhaphoto
André Cunha é graduado em Desenho Industrial e pós graduado em docência em Artes Plásticas. Desenvolve seu trabalho artístico em fotografia, sendo representado pela Galeria Utópica, São Paulo, onde realizou sua primeira exposição individual em abril de 2018.No mesmo ano, publicou seu livro “Santuário”, que foi lançado simultaneamente em São Paulo e em Nova York. Ainda em 2018, participou de mais duas exposições coletivas: Provence en Hiver, (Galeria Lombardi / SP) e AIPAD (NYC).
Em 2019, teve seu trabalho (fruto da residência artística “Mudança de biótopo e outras perspectivas”, realizada em Provence, França, liderada pelo fotógrafo e orientador Marcelo Greco) exposto em uma coletiva no MASC (Museu de Arte de Santa Catarina). Posteriormente, ainda no mesmo ano, voltou a apresentar suas obras em Nova York, na AIPAD.
André Cunha foi um dos finalistas da Caravana Magnum, 70 anos, no Festival de Fotografia de Tiradentes. Expôs na Galeria Espaço 1338, São Paulo. Recebeu Menção Honrosa no Prêmio Brasil Fotografia 2017. Teve seu trabalho exposto na SP Arte/Foto nas edições de 2018, 2019 e 2020 (esta última virtual).
Atualmente André se dedica à finalização de seu novo livro, “Mazemist”, onde lida com questões e universos muito íntimos, mas que podem ser reconhecidos e revisitados por qualquer um de nós.
Representação: Utópica Galeria, São Paulo


Bernardo Dorf

@bernardodorf | bernardodorf.com
Bernardo Dorf (São Paulo, SP, Brasil, 1953) é pós-graduado em fotografia pelo Centro Universitário SENAC, São Paulo, 2010. Expôs individualmente seu trabalho “Purple Rain” em 2015 na Galeria Sancovsky, São Paulo. Desde 2011 participa de exposições coletivas em Curitiba, São Paulo e Paris. Publicou os livros: “Zero to Infinite”, 2011; “Plantel Renovado”, 2015, “Purple Rain”, 2015, “Aica de Grand Bois”, 2018 e “Orexia” em 2020. Participou das publicações Identidade, Revista Liris, 2015 e na A Barca”, 2019.
Nos anos 60 com laboratório próprio, exerceu por um breve período de tempo a fotografia corporativa. Após um grande hiato, retornou à sua paixão fazendo o curso de pós em fotografia no Centro Universitário do Senac. Depois de formado fez o curso de fotografia autoral com Marcelo Greco, que se tornou seu orientador até os dias de hoje. Através dele teve contato com alguns fotógrafos brasileiros e estrangeiros e a oportunidade de fazer residências no Brasil, na Holanda e na França.


Caio Leão

@caioleao | caioleao.com
Caio Leão (Cacoal, RO, Brasil, 1981) começou na fotografia em 2006 no antigo NEF – Núcleo de Estudos de Fotografia, em Curitiba – PR, onde se aprofundou em fotografia documental liderado pela artista e professora Milla Jung. Em 2010, já em SP, começa no MAM e no grupo de fotografia autoral idealizado pelo Marcelo Greco, com quem continua até então. Atualmente, está finalizando seu primeiro livro, “Sussurro do Cão”.


Daniel Monteiro

@danielmonteiro5682
Daniel Monteiro é fotógrafo desde 1998. Trabalhou para editoras, agências de comunicação e publicidade, além de projetos culturais na Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.
Seu primeiro contato com o universo da fotografia autoral foi através de uma exposição idealizada pela extinta Casa de fotografia Fuji em 2.000, sob orientação e curadoria de Rosely Nakagawa e Carlos Moreira. Em 2016 concluiu os cursos do MAM de Fotografia Autoral I e II com o orientador Marcelo Greco e atualmente participa de um grupo de estudo do mesmo. Período usado também para edição do livro “Campo dos Sonhos” que será publicado em breve.


Fábio Guarda

@fabioguardaphotography
Fabio Guarda (São Paulo, SP, Brasil, 1975) é formado em economia pela FAAP tem interesse em fotografia, colagens e cerâmica desde a adolescência. Estudou fotografia autoral com Marcelo Greco no MAM e, desde então, vem desenvolvendo trabalho autoral em seu grupo de estudos. Interesse profundo em todas as etapas da confecção de um fotolivro, desde a captura, revelação, scan e tratamento das imagens, edição da narrativa, impressão e confecção dos objetos. Os trabalhos “O” (2016), “Arena” (2019) e “O Canto” (2020) foram todos impressos e confeccionados de forma artesanal pelo autor.


Fernando Moussalli

@fernando_moussalli
Fernando Moussalli (São Paulo, SP, Brasil, 1970) é graduado em Publicidade e Propaganda pelas Faculdades Integradas Alcântara Machado – FIAM. Trabalha com fotografia desde 1992, iniciando como assistente e, como fotógrafo publicitário a partir de 1996.
Conhece a fotografia autoral através dos cursos Fotografia Autoral I e Fotografia Autoral II, ministrados por Marcelo Greco no MAM e desde então a utiliza como forma de expressão pessoal, fazendo parte do grupo de estudo coordenado pelo Marcelo.
Participou de workshops com Leo Divendal e Pierre Devin. Selecionado através de chamamento público para a exposição coletiva na 3ª edição do Festival de Fotografia do Sertão com o trabalho “Invasivo”.


Gi Hasson

@gihasson
Gi Hasson é graduada em Jornalismo pela Fundação Integrada Alcântara Machado (FIAM) em 1988. Cursou fotografia no MAM em 2013 e participou do grupo de estudos de fotografia autoral com o Daniel Salum. Em 2014, estudou no MAM o curso de fotografia autoral I e o autoral II com o professor Marcelo Greco e partir daí começou a participar do grupo de estudos de fotografia autoral orientado por Marcelo Greco, onde desenvolve seu trabalho autoral. Em 2017 fez seu primeiro livro de artista “Farewell”. Em 2019 publicou independentemente o livro “Estância” e, em 2020, o livro “Cidade Clara”.


Giovana Pasquini

@giovanapasquini | giovanapasquini.com
Giovana Pasquini, graduada em Comunicação Social e Fotografia pela ESPM, é freelancer em design gráfico, ilustração e animação. Na fotografia, especializou-se em cobertura de espetáculos e se dedica à fotografia autoral desde 2014. Participou de exposições coletivas no MIS (2011) e na SP Escola de Teatro (2010, 2014). Expôs individualmente o trabalho “Crônicas de bicicleta” no Café Mundo Mundano (2013) e “Quando o deserto já não basta” no Negro Café (2017), durante o lançamento do livro de mesmo nome. Publicou a série de zines “Crap Noir” (2015, 2016 e 2018) e participou da publicação do livro “The Making of PAPA” (2012), de Lino Hellings. Participou por 2 anos consecutivos (2018, 2019) da Feira de Fotolivros do Festival Zum de fotografia, pelo IMS.
Desde 2017, gerencia junto a sua sócia o espaço Vacca Madre, centro cultural independente.


Helena Rios

@helena.g.rios | helenarios.com
Helena Rios graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP em 2007 e iniciou os estudos e seu trabalho com Fotografia Autoral em 2008. Hoje desenvolve seu trabalho artístico, atua como fotógrafa freelancer e designer de livros. Desde 2011 participa de exposições já Helena Rios nasceu em 1982, em São Paulo. Graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP em 2007 e, desde 2008, desenvolve seu trabalho artístico. Desenvolve, também, projetos de livros – da concepção à produção gráfica. Ela é criadora, com Marcelo Greco, do ateliê Rios Greco, membro do Territoire Sensible, desde sua criação, e membro do grupo de artistas A Barca.⁣
Desde 2011 participa de exposições já tendo apresentado seu trabalho no Brasil, França e Argentina. Participou, em 2012, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018 de intercâmbios e residências artísticas em Amsterdam (Holanda) e em Taulignan (França). Publicou independentemente os livros Contraviento (2011), Espelho (2012), Pedras (2014), Margens (2015), Revoada (2016), Rosa dos ventos (2020). Neste ano de 2021 lançará o livro “Rios em flor” (Editora Origem e Rios Greco).⁣⁣


Juliana Corsi

@jucorsidias
Juliana Corsi Dias (São Paulo, SP, 1983) graduou-se em Gastronomia pela Anhembi Morumbi em 2004, e em Design Gráfico pela Belas Artes 2014. Atualmente atua com direção de arte e fotografia. Em 2015 cursou no MAM fotografia Autoral I e Autoral II com o fotógrafo Marcelo Greco. E desde 2016 participa do grupo de estudo de fotografia autoral orientado pelo próprio Marcelo Greco, onde desenvolve um trabalho de construção de narrativas visuais. 


Leo Tumonis

@leotumonis
Leonardo Tumonis (São Paulo, 1980) estudou Engenharia Elétrica (2002 – USP) e Cinema (2014 – AIC). Trabalhou com fotografia social entre 2007 e 2008 e hoje se dedica à fotografia autoral. Desde 2009 participa de grupos de estudos de fotografia e artes visuais, juntando-se à Barca em 2019. Interessa-se por processos químicos em laboratório fotográfico, poéticas visuais, e pelo livro como suporte para o ensaio. Em 2019 editou o livro Anomia (lançado em 2020 por Rios Greco e Editora Origem).


Lucas B. Pacífico

@lucaspacifico | lucaspacifico.fot.br
Lucas formou-se em Publicidade pela Fundação Armando Álvares Penteado em 2007. Desde 2013 desenvolve seu trabalho de fotografia autoral e poética em livros sob a orientação do fotógrafo Marcelo Greco. Atua também com direção de criação e arte na área de comunicação.
Participou da residência artística “Mudança de biótopo e outras perspectivas”, uma iniciativa do Territoire Sensible, que originou as exposições “Inverno na Provence” exibida em São Paulo/BR (2018) e em Florianópolis/BR no MASC (2019), e a exposição “Collectif Territoire Sensible – Mission Lance Ventoux” (2018) na França.
Faz parte do grupo de autores da Missão Lance Ventoux do “Territoire Sensible” (@territoiresensible) liderado pelo editor francês Pierre Devin.
Realizou as publicações “Em cada (íntima) cor” (2014), “Luz Nevada” (2019) e “Onde nos encontramos” (2020). No momento, realiza o projeto “Versos brancos”.


Marcelo Greco

@marcelofotogreco. | marcelogreco.com
Marcelo Greco nasceu em São Paulo em 1961. Atualmente desenvolve cursos e oficinas de fotografia autoral no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), orienta fotógrafos no desenvolvimento de projetos pessoais e atua como diretor artístico de livros e exposições. É fotógrafo desde 1997.
Realizou exposições em importantes instituições no Brasil, Holanda e Alemanha. Publicou os livros: Brasília – Coleção Passaporte, Tempos Misturados, Internal Affair e Sombras Secas (todos estes pela Schoeler Editions); A Sombra da Dúvida (pela Sensible édition); Abrigo (pela Rios Greco e editora Origem).
Greco é criador, com a Helena Rios, do ateliê Rios Greco e membro do Territoire Sensible desde sua criação. Greco é representado artisticamente pela Bianca Boeckel Galeria.


Marcelo Guarnieri


Márcio Távora

@marciotavora | behance.net/marciotavora
Márcio Távora (Fortaleza, CE, Brasil, 1979) teve seu primeiro contato com a fotografia em um curso básico feito em São Paulo, em 1998. Estudou na Milwaukee Institute of Art and Design e na Faculdade SENAC de Comunicação e Artes, São Paulo, Brasil. Desde 2010 frequenta um grupo de estudos com o fotógrafo Marcelo Greco. Expôs seu trabalho em galerias e instituições como SESC, Itaú Cultural e Casa das Rosas. Em 2013 lançou o Livro de Visitas. Desde 2014 produz curta metragens sobre personagens da cidade de São Paulo. Participou da Residência artística Missão Lance Ventoux no sul da França em janeiro/fevereiro de 2018, “Mudança de biótopo e outras perspectivas”. Recentemente publicou o livro Gueitebol (Editora Origem e Rios Greco, 2020).


Paola Vianna

@paolavianna | paolavianna.com.br
Paola Vianna (São Paulo, SP, Brasil, 1983) é graduada em Publicidade e Propaganda pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP, 2006). Desde 2005 trabalha na área de fotografia tendo passado por redação de revista, estúdio de moda e por agências de publicidade. A fim de desenvolver seu trabalho artístico, participou de grupos de estudo com artistas como Carlos Moreira, Gal Oppido, Leo Divendal, Pierre Devin e Marcelo Greco (que é seu orientador até hoje). Expôs individualmente seu trabalho na Matilha Cultural, São Paulo, e participou de exposições coletivas no SESC Santo André, Museu Brasileiro de Escultura de São Paulo, na Galeria Virgilio, Galeria Lombardi em São Paulo e no MAC de Santa Catarina. Em 2017 publicou seu primeiro livro “Entre chiens et loups”, editado pela Sensible édition. Em 2018 participou da residência artística na França “Mudança de biótopo e outras perspectivas”.


Rafael Define

@rdefine | rafaeldefine.com
Rafael Define, natural de Orlândia, SP, é graduado em Publicidade e Propagando pela Fundação Armando Álvares Penteado em 2000. Trabalha com fotografia desde 2001. Entre 2006 até 2011 trabalhou como fotógrafo da agência de publicidade W/Brasil e desde 2011 tem estúdio próprio realizando trabalhos para o mercado publicitário e editorial. Desde 2015 faz parte de grupos de estudos de fotografia autoral com o fotógrafo Marcelo Greco e já lançou dois livros, “Pretérito Imperfeito” em 2017 e “Cartas para E.” em 2018.


Re´gis de Gasperi

@regisdegasperi | regisdegasperi.com
Re’gis de Gasperi (São Paulo, 1974). Advogado inserido no mundo corporativo, na indústria de tecnologia, há mais de vinte anos, tem nos processos fotográficos analógicos, edições, narrativas, poéticas, pesquisas e entendimentos o seu mecanismo de equilíbrio e vida. Ficção vital. E sempre conduzida por catedrais. Essas catedrais passam por elogios, dores, amores, tensões, rupturas, relações, corpo, escudo, crises, sensualidade, vida, sentimento, morte. Eterno. Eterno catálogo vital.
Fotografia Autoral MAM-SP 2012-2013. Participa de grupos de estudo, workshops e residências artísticas desde 2013. Ao longo desse processo editou Carbono (2014), 70×7 (2016 – publicação independente e exposição no mesmo ano), Call it True (2016), River, carta p/ r. (2018), Next Monday Haven (2019). Em 2020, Caderno de Cirscunstâncias, Obsessões e Elogio, 1195 143 e Box of Illusions.


Ricardo Almeida Prado

@ricardoalmeidaprado
Ricardo Almeida Prado (São Paulo, 1972) é formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP (1995); psiquiatra pela Universidade Federal de São Paulo –  UNIFESP (Fev/1999); psicanalista com formação pelo Instituto Sedes Sapientiae (2003); coordenador do Ambulatório de Psicoterapias de Grupo da UNIFESP, com interesse em psicanálise de grupos, psicoterapia exclusivamente verbal e com uso de objetos mediadores, dentre eles, a fotografia (técnica da fotolinguagem). Fotógrafo desde 2016, formado em fotografia autoral pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo em 2018, desde então participa de grupo de estudos com o fotógrafo Marcelo Greco. Tem interesse pela poética visual, pela temática da inserção do ser humano no planeta Terra no âmbito da utilização dos recursos naturais, pela ideia de Antropoceno, pelos movimentos civilizatórios e de massa, incluindo os sintomas sociais e possíveis saídas poético-estéticas.