Macaco Jacaré é o segundo caderno da Coleção Garimpo, uma coleção particular de lugares, pessoas e histórias. O minucioso garimpo em uma grande cidade pode render boas histórias: sobre imigrantes de todo o mundo, sobre atividades super especializadas, quase em extinção no mundo atual.

“As oficinas mecânicas sempre me atraíram. Há mais de dez anos, fotografo o interior desses espaços na cidade de São Paulo e quase sempre encontro as portas abertas. Em 2020, depois de publicar Gueitebol, o primeiro volume da Coleção Garimpo, retomei, com intensidade, as visitas às garagens de bairro. Voltei a algumas, conheci outras e me impregnei do silêncio e do cheiro de óleo desses lugares. Assim nasce Macaco Jacaré, livro que apresenta uma imersão em pequenas oficinas, com especialistas apaixonados pelo que fazem.

Esses profissionais, quase artesãos, com as mãos e com um profundo conhecimento sobre os materiais, reparam somente uma parte do carro. Antes deles vem o mecânico geral, que, como o clínico geral, escuta o veículo, faz o diagnóstico e encaminha-o para os especialistas: o funileiro, o pintor, o eletricista, o tapeceiro, o vidraceiro, o borracheiro, entre outros.

Queria garimpar, fotografar esses especialistas e suas pequenas garagens. Para esse passeio-garimpo, dirigi um barulhento Volkswagen Sedan 1969, com motor refrigerado a ar. Com ele, encontrei, em um pequeno galpão no Ipiranga, um funileiro esculpindo pedaços de antigos automóveis; na Barra Funda, conheci uma fábrica de macacos hidráulicos que resiste com um único profissional a fazer a manutenção do macaco jacaré, ferramenta que ergue o automóvel do chão para que sejam feitos os reparos. Juntos, o Fusca e eu fomos a diversas oficinas no Jabaquara, Lapa, Mooca e outros bairros próximos ao centro. Desde o início do projeto, a história desse carro está relacionada à história deste livro.

Em 2010 conheci uma oficina particular no Cambuci. Num espaçoso galpão, um senhor de suspensórios me mostrou sua coleção de Fords e contou o quanto sua vida está ligada aos carros. Ao me ver ali, ouvindo-o, com curiosidade e com a câmera na mão, Walter Lotaif logo virou meu amigo. Passei a frequentar sua garagem, fiz algumas fotos e um pequeno filme intitulado Fordinho, que vimos juntos na oficina. Nesse dia, tomamos café com os outros profissionais que trabalhavam ali. Me senti parte da família, era assim que éramos tratados. Dez anos depois, um desses mecânicos fez a ponte entre mim e meu Fusca. Foi nessa mesma época que Fordinho partiu. Quando voltei à sua garagem, estacionei meu pequeno Volkswagen em meio à coleção de Fords do meu amigo, um encontro inesquecível, que marcou a minha vida e início do trabalho que apresento neste livro.”

Márcio Távora
dezembro de 2023


fotografias e textos. Márcio Távora
projeto gráfico. Helena Rios e Marcelo Greco
mapa e lettering. Juliana Russo
preparação e revisão de texto. Juliana Monteiro
traudção. Luciana Dutra, Chris McGowan
ampliações C-print. Gibo Pinheiro
digitalização e equalização das imagens. IPSIS
impressão. IPSIS, São Paulo, 2024
offset digital sobre papel Eurobulk 150gsm
tiragem. 200 exemplares
ISBN. 978-65-992520-6-8